Atualize seu Navegador Nós detectamos que você esta usando uma versão obsoleta do Internet Explorer como seu navegador web.
Para entrar no site e usufruir de todos os recursos, por favor instale uma versão mais atual do IE.
Só levara alguns minutos para completar.

O site também pode ser visto usando:

O que é marketing Humans to Humans (H2H)?

Estratégia e conteúdo especializado para a empresa se comunicar com seu público interno e externo

O que é marketing Humans to Humans (H2H)?

Como já mencionamos aqui no blog, em especial com o post sobre A Jornada do Herói, as pessoas gostam de histórias. No marketing essa é uma estratégia chamada de storytelling. Esta característica humana é muito relevante para o H2H, o marketing humanizado.

Depois da tendência B2B (Bussiness to bussiness) o marketing segue outra ideia, ainda mais agregadora: o humans to humans. O conceito é simples por trás de cada marca existem os humanos que a produzem e os humanos que a consomem. Em vez de integrar as pessoas pelas máscaras de empresa e consumidor, o marketing H2H quer unir esses humanos com interesses e problemas em comm.

A importância da proposta

Como já mencionamos aqui no blog, em especial com o post sobre A Jornada do Herói, as pessoas gostam de histórias. No marketing essa é uma estratégia chamada de storytelling. Esta característica humana é muito relevante para o H2H, porque as histórias não são nada mais do que a representação de situações e sentimentos naturais, aos quais nos espelhamos, procuramos evitar, colocamos como objetivo ou até vemos coisas semelhantes ao passado.

Esse despertar da emoção, o mesmo que puxa a atenção de um amigo para um causo, é capaz de vender um produto à imagem de um negócio.

Confira a seguir algumas empresas que acertaram neste conceito:

NUBANK

O banco alternativo já apareceu em muitas revistas sobre seu atendimento humanizado. Ele adaptou a comunicação tradicional formando uma grande equipe para atendimento, adaptando a linguagem e levando as histórias engraçadas das redes sociais a sério.

Escolheram alunos de grandes universidades para o atendimento, todos bilíngues e usuários frenéticos de redes sociais. Por isso, é comum encontrar histórias sobre clientes respondidos com memes de seus seriados prediletos, cartas de desculpas escritas à mão e presentes para os usuários do cartão.

Nesse modelo, o Nubank conseguiu reunir histórias reais que contribuíram ainda mais para sua imagem. O caso mais famoso, publicado pelo próprio banco, é o de Pamela, hoje colaboradora no atendimento. Até então cliente, ela estava grávida e não se sentindo bem após uma consulta, resolveu pedir um serviço de carro, porém o saldo do cartão não foi suficiente. Por isso, Pamela recorreu ao atendimento do Nubank e pediu para aumentarem o limite.

Depois de conseguir, ela disse ao atendente sobre ele ter salvo seu dia e de seu ”Feijão”, como ela chamava a criança ainda sem sexo conhecido. Meses mais tarde, ela recebeu em casa uma carta escrita à mão pelo atendente junto ao livro “João e o pé de feijão”.

LOLA COSMETICS

A marca de beleza escolheu duas formas inusitadas de estreitar a relação entre a empresa e a consumidora e ambas estão na embalagem. Os produtos para cabelo, carros-chefes da marca, levam em suas embalagens nomes e textos relacionados a memes e cultura pop como “Meu cacho, minha vida”, “Eu sei o que você fez na química passada” e “Oleosos e furiosos”.

Outro detalhe visual do produto remete às personagens estampadas nos rótulos. Todas as ilustrações são inspiradas nas colaboradoras da marca, que tornam-se personagens[ÁF2]  recorrentes nas redes sociais da Lola Cosmetics.

 

UBER

A empresa associada a motoristas independentes lançou uma série sobre seus condutores. Quando o aplicativo busca por carros na localidade, a primeira indicação observada pelo cliente é o nome de quem irá leva-lo ao destino. A Uber, que já havia apostado na ideia de que a confiança começava com o nome em seus anúncios estáticos, resolveu falar da personalidade por trás deles.

Fernanda e Larissa foram as motoristas escolhidas para os dois primeiros episódios. A primeira se tornou parceira da Uber após o divórcio. Ela conta como a atuação ajudou a sustentar a família depois do ocorrido. Já Larissa conta sobre sua transição de Leandro para sua verdadeira figura feminina. A motorista viu na empresa a possibilidade de ser reconhecida como mulher e profissional.

Quer saber mais sobre como o storytelling pode aproximar sua marca do cliente? Venha tomar um café conosco!